segunda-feira, 29 de maio de 2017

Caseiro de ex-prefeito de Palestina é sequestrado e assassinado em Alagoas

Vítima: José Arnóbio Feitosa, 64 anos
Corpo de caseiro sequestrado foi encontrado por populares na manhã do domingo (28/maio/2017), na zona rural do município de Jacaré dos Homens. 
A vítima, identificada como José Arnóbio Feitosa, 64, trabalhava como caseiro do ex-prefeito da cidade de Palestina, Júnior Alcântara, quando teria sido surpreendido por dois homens encapuzados e um outro de cara limpa que chegaram a chácara chamando o caseiro por seu apelido 'Abel'. 
O caseiro estava com seu filho de apenas 8 anos de idade, que teria aberto a porteira achando que os suspeitos se tratavam de amigos do pai. 

Abel foi levado pelos criminosos no último sábado (27/05/2017), enquanto o filho gritava por socorro. Familiares e amigos chegaram no local e iniciaram buscas pela vítima, mas não tiveram sucesso em encontrar o caseiro, que foi localizado já sem vida na manhã deste domingo, próximo a um local de depósito de lixo e com marcas de sangue na região da cabeça.
Familiares estiveram no local e reconheceram o corpo como sendo de Abel, mas afirmaram não saber as motivações para o crime, a polícia investiga o crime. O Corpo do caseiro foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) de Arapiraca, para os devidos procedimentos.
Ex-prefeito Júnior Alcântara já foi preso e é acusado d crimes pelo GECOC

Em 05/fevereiro/2013, o Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas (Gecoc) do Ministério Público Estadual ofereceu denúncia e pediu a prisão do ex-prefeito do município de Palestina José Alcântara Júnior, mais conhecido como 'Júnior Alcântara' e de outras 15 pessoas, dentre ex-servidores públicos, ex-secretários municipais e um empresário. Todos são acusados de integrar uma organização criminosa que praticou os crimes de apropriação de verbas públicas, fraudes em licitações, peculato furto, falsificação de documento particular, falsidade ideológica, uso de documento falso e formação de quadrilha. O valor que teria sido desviado ultrapassa os R$ 762 mil. A Deic cumpriu 16 mandados de prisão. Todos foram expedidos pela 17ª Vara Criminal da Capital. O ex-prefeito foi preso e encaminhado à Casa de Custódia da Polícia Civil.

Os crimes foram praticados durante a gestão de José Alcântara Júnior, mais precisante entre os anos de 2009 e 2012. Como era o prefeito de Palestina à época, ele é apontado como o chefe da organização criminosa e liderou um grupo de ex-funcionários que trabalhavam na Comissão Permanente de Licitação - Manoel Messias da Graça, Fernando Jorge Miranda dos Santos, José Vanildo dos Santos, Francisco de Assis Ferreira, Luciano Lucena de Farias e Francisco de Assis Costa da Silva - e nas Secretarias de Assistência Social, Saúde, Finanças, Administração, Educação e Obras e Urbanismo – Crizélia de Melo Alcântara, Elysson José Damasceno Gomes, Gedilson Costa da Silva, Djalma Alencar da Silva, Ana Paula Oliveira Souza e Eumanio Melo da Silva, respectivamente. Também fizeram parte do esquema ilícito os empresários Alberto Rodrigues de Oliveira, sócio da Construnorte Construções e Serviços LTDA e Eraldo do Leite, representante legal da mesma empresa.

As investigações do Gecoc começaram em 2012 e, após a análise de farta documentação aprendida durante cumprimentos de mandados de busca e apreensão expedidos pela 17ª Vara Criminal da Capital e pelo Juízo da comarca de Delmiro Gouveia, ficou comprovado que vários processos foram dolosamente manipulados e fraudados nos anos de 2010 e 2011, o mesmo tendo acontecido nas licitações realizadas entre os anos de 2008 e 2010. O valor do prejuízo somou R$ 762.432,90.
Quadrilha fraudou documentação de empresas
 O Gecoc fez uma análise criteriosa nos balancetes do Município dos anos de 2010 e 2011 por exemplo, e após a realização desse trabalho, comprovou que o grupo criminoso fraudou documentos em nome da dezenas de empresas. Construtora Farias Omena, Alfa Epi's Comércio LTDA, H.F.Calheiros e Cia LTDA, Comferral Comércio de Ferragens LTDA, Energy Instalações Elétricas LTDA, Cunha e Melo LTDA, J.A. Construção LTDA, Costa Comércio e Representações LTDA e Virtual Computer Informática LTDA estão entre os estabelecimentos que foram vítimas dos acusados.
Em depoimentos prestados ao Gecoc, os donos e representantes das referidas empresas e de outros 20 estabelecimentos negaram já ter prestado serviços ou vendido quaisquer produtos à Prefeitura de Palestina e garantiram que as notas fiscais atribuídas a eles são falsas.
“Os processos de pagamento relacionados ao adimplamento das obrigações supostamente contraídas nos anos de 2010 e 2011 pelo Município de Palestina foram fraudadas de forma grosseira e acintosa pela organização criminosa comandada pelo denunciado José Alcântara Júnior com o intuito de se apropriar criminosamente do dinheiro público destinado ao pagamento de serviços e de obras supostamente contratadas e não realizadas, bem como destinado ao pagamento dos fornecimentos de materiais que jamais foram entregues, causando profundo prejuízo à municipalidade que, em consequência, vê-se privada de ações que visem à melhoria da qualidade de vida de sua população”, diz trecho da denúncia.
Ainda de acordo com o MPE, parte dos documentos que deveriam ter sido recolhidos não foram localizados durante o cumprimento dos mandados, o que significa dizer que outras empresas também podem ter sido lesadas criminalmente pela quadrilha. “O ex-prefeito Júnior Alcântara, líder do bando criminoso, providenciou a ocultação dos mesmos”, acusa o Gecoc.
Obras que não aconteceram e produtos não adquiridos
As licitações fraudadas envolveram prestação de serviços não realizados e supostas compras de material. Foram abertos processos para aquisição de produtos e equipamentos de informática e eletro-eletrônicos e para a contratação de obras de terraplanagem, desobstrução de riachos e serviços de engenharia e recuperação de trechos da malha viária da cidade.
Durante as investigações, Eraldo do Leite, representante legal da Construnorte Construções e Serviços LTDA e que figura também na condição de denunciado, contribuiu com o trabalho do Gecoc. O acusado admitiu que havia fraude nas licitações, disse que ele próprio falsificou notas fiscais e que, para algumas das obras contratadas, a Construnorte sequer tinha o maquinário necessário para a execução do serviço.
A denúncia do Gecoc também alega que a maior parte dos contratos firmados foram considerados de 'fachada': 'são destituídos de qualquer eficácia, haja vista que não foram publicados na imprensa oficial e, nem tampouco, em qualquer outro lugar, em uma clara demonstração de que não havia interesse em que a suposta celebração dos mesmos chegassem ao conhecimento do público e produzissem seus efeitos externos, já que a intenção do aludido gestor era, simplesmente, simular a criação de um suposto encargo que servisse de camuflagem para a apropriação integral das verbas”, revela outra parte da denúncia.
Todos acusados foram denunciados pela prática dos crimes de apropriação de verbas públicas, fraudes em licitações, peculato furto, falsificação de documento particular, falsidade ideológica, uso de documento falso e formação de quadrilha.
Contra Júnior Alcântara, o MPE apresentou denúncia o acusando do cometimento do crime de fraude em licitação por seis vezes. Ele também teria praticado, por 100 vezes consecutivas, o ilícito de apropriação de bens ou rendas públicas ou desvio de dinheiro em proveito próprio ou alheio, por 31 vezes, o crime de falsificação de documento particular e, por 33, o uso de documento falso. A falsidade ideológica teria sido cometida por ele em seis ocasiões e por todas essas acusações, ele recebeu a acusação de chefiar o esquema criminoso.
Os demais membros da quadrilha e o empresário Alberto Rodrigues de Oliveira foram denunciados pelos mesmos crimes. Este último, participava das fraudes para conseguir beneficiar sua empresa. À denúncia, foram acostados 411 documentos, dentre eles,34 termos de declarações. Nela, o Ministério Público de Alagoas, além da prisão, também pede que os réus sejam condenados à suspensão dos direitos políticos pelo período de cinco anos, para o exercício de cargo ou função pública, eletivo ou de nomeação, sem prejuízo da reparação civil do dano causado ao patrimônio público ou particular.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Vídeo: Jornalista alagoano citado em delação da JBS é acusado de chantagear delator

Jornalista Claudio Humberto
O conteúdo das delações premiadas dos executivos do grupo JBS trouxe revelações que envolvem negociatas com a mídia. Circulam nos corredores de Brasília, que o jornalista alagoano Cláudio Humberto, proprietário do site Diário do Poder, crítico do governo Lula/Dilma, é um dos nomes que aparece nos depoimentos de Ricardo Saud, diretor de relações institucionais da JBS, ele teria revelado às autoridades a negociação de pagamentos em dinheiro para que o jornalista deixasse de "bater", omitindo os fatos da Operação Lava a Jato que envolvessem a empresa e os empresários.

No dia 19 de novembro de 2014, Cláudio Humberto Rosa e Silva escreveu matéria onde citava Joesley Batista, dono da JBS, como "Rei do Gado" e Ricardo Saud como "homem da mala". Esse material teria sido objeto do acordo financeiro. A quantia de 18 mil reais estaria sendo paga mensalmente, para acalmar o jornalista. Cláudio Humberto foi homem forte no Palácio do Planalto durante o Governo do presidente Fernando Collor. Sua coluna circula diariamente em vários jornais do Brasil, inclusive, na Gazeta de Alagoas.

A mídia, que capta recursos públicos em publicidade, tem conhecidos personagens que adotam a prática da chantagem como convencimento. A desconstrução - ou não - é a barganha dos que atuam no submundo do noticiário político. Cabe a sociedade fazer juízo de valor em meio a tantas informações que circulam diariamente.
As acusações colocam em dúvida a credibilidade do trabalho de Cláudio Humberto e expõe o modus operandi, da mídia vendida - comprada, que pode ser finalmente desmontado.

O site do jornalista Cláudio Humberto trouxe a informação de que as declarações de Saud, em juízo, se trata de vingança.

terça-feira, 23 de maio de 2017

Lista: Políticos alagoanos teriam recebido doação de campanha da JBS, empresa acusada fraudes e suborno a políticos

Lista 1: Doações oficiais da JBS nas eleições 2014
Como diria o combativo Jornalista Thiago Correia, "Alagoas está bombando na delação da JBS".

De acordo com uma lista vazada para a imprensa, vários políticos alagoanos teriam recebido dinheiro da JBS para custear campanhas eleitorais.

A JBS é a maior empresa de proteína animal do Brasil. A Friboi, é uma das empresas que pertencem a JBS, sendo também a empresa que mais tem anúncios de propaganda veiculadas nas televisões brasileiras.

Informações do portal do Tribunal Superior Eleitoral (TSE),  apontam que a JBS fez doações em 2014, de cerca de R$ 5,3 milhões para políticos de Alagoas. Dentre os deputados estaduais eleitos em 2014,  estão Ricardo Nezinho (PMDB) e Tarcizo Freire (PP), Ronaldo Medeiros (PMDB), Marquinhos Madeira (PMDB), Thaíse Guedes (PMDB) e Carimbão Junior ((PROS).
Ao todo 20 políticos foram beneficiados pela JBS e na lista ainda figuram o governador Renan Filho (PMDB), o senador Benedito de Lira (PP), os ministros Marx Beltrão (PMDB) e Maurício Quintella (PR) e os deputados federais Arthur Lira (PP) Ronaldo Lessa (PDT) e Givaldo Carimbão (PHS).
Ainda, segundo a lista a suplente de deputado federal, mas que está no exercício do mandato, Rosinha da Adefal (PTdoB) também recebeu doações da JBS, por meio do diretório estadual.
Os maiores beneficiados foram o governador Renan Filho (R$ 1,3 milhão), o então candidato ao governo Benedito de Lira (R$ 1,2 milhão), Olavo Calheiros (PMDB) que recebeu o incentivo de R$ 300 mil para se eleger deputado estadual, além dos ministros Maurício Quintella (R$ 950 mil da JBS/Seara) e Marx Beltrão (R$ 236 mil) – deputados federais afastados que ocupam cargos de ministros dos Transportes e do Turismo, respectivamente.

Lista 2: Doações oficiais da JBS nas eleições 2014



TC em festa: Irmã, cunhado e sobrinha de Cícero Amélio são presenteados com emprego dos sonhos

Em nova ação (agora por improbidade administrativa) ajuizada, na Justiça, contra o já afastado conselheiro do Tribunal de Contas, Cícero Amélio, o Ministério Pública acusa o ainda fiscal dos prefeitos e do governador alagoanos de empregar a irmã, o cunhado e uma sobrinha no próprio gabinete do TC. Outra pessoa empregada é a filha do chefe de gabinete do conselheiro, afastado desde agosto do ano passado por emitir documento falso para beneficiar o ex-prefeito do Município de Joaquim Gomes, Benedito de Pontes Santos.

Outros atos abusivos envolvem a avocação e condução ilícita em afastamento do conselheiro relator natural por decisões monocráticas e não fundamentadas; desconstituição de ato de relator natural e desconsideração de sua autoridade e competência junto a gestor jurisdicionado; e usurpação de competência, com determinação de auditorias sem deliberação do Tribunal do Pleno.

O prejudicado com o afastamento foi o conselheiro Anselmo Brito, que restou impossibilitado de atuar em processos envolvendo gestores públicos com ligação de parentesco com o ex-prefeito de Canapi, Celso Luiz, e sua esposa, Maria Cleide Costa Bezerra, também conselheira do TCE/AL.

De acordo com o MP, o então presidente da Corte de Contes de Alagoas determinou, pessoal e diretamente, diversas auditorias (mais complexas) nos municípios, nominando-as de inspeções in loco (mais simples), sem respeito a qualquer cronograma de auditorias ou instrumento congênere.

O regimento do TCE/AL condiciona a realização das auditorias à solicitação do conselheiro natural e à deliberação do Pleno do Tribunal, o que não ocorreu. Sem publicidade, a conduta só foi constatada pelo levantamento de diárias concedidas a servidores e publicadas em órgãos de comunicação oficiais.

“Todas essas ações tiveram lugar em período pré-eleitoral, antecedendo um pleito no qual concorreu o próprio filho do conselheiro, o que agrava a aparência de uso seletivo e pessoal dos recursos do Tribunal para a realização de auditorias segundo a conveniência particular do demandado”, destacam o procurador-geral de Justiça e os promotores de Justiça.

Ticiana Villas Boas, a Jornalista que ficou rica por tabela após casar com JOESLEY BATISTA, o delator que grampeou o Temer Golpista

Não é ironia, mas Ticiana Villas Boas, de 36 anos, “está no olho do furacão político” que teve início com a delação feita por seu marido, Joesley Batista. Desde que o escândalo estourou, na quarta-feira passada (17/05/2017), a apresentadora do “Duelo de Mães”, reality show que vai ao ar aos sábados no SBT, sofreu ataques e se afastou da vida pública. Na terça-feira (23/05/2017), o SBT informou que ela não vai comandar o "Bake Off Brasil - Mãos na Massa", programado para o segundo semestre.
Em um anúncio feito via Instagram e Facebook, ela disse: “Não estou forte nem preparada ainda para falar do assunto. Vou passar um período fora das redes sociais para nos resguardar. Espero que entendam”.
Antes do resguardo, porém, Ticiana mostrava sua vida de apresentadora de tevê e mulher de bilionário nas revistas e em suas redes sociais. Revelamos algumas facetas da trajetória da apresentadora.
"Repórter talentosíssima"
Formada em Comunicação na Universidade Federal da Bahia, Ticiana Villas Boas era, ao lado de Ricardo Boechat, a principal estrela do jornalismo da Band, de onde saiu após o nascimento de Joesley Filho, em janeiro de 2015. "Uma repórter talentosíssima", elogiou o colega de bancada na rádio Band News. Ele fez questão de frisar que ela "progrediu com as próprias pernas" e que sua carreira não foi construída em torno do atual marido, com quem se casou quando já trabalhava no telejornal há seis anos. Boechat disse ainda: "A hora em que aparecer uma acusação contra a Ticiana, o pau vai cantar como para qualquer um", em referência ao fato de não criticá-la em seus comentários políticos.

Viagens pelo mundo

Como bilionários que são, Ticiana e Joesley Batista têm casa em Nova York, esquiam em estações caras, como Vail, no Colorado, e curtem praias paradisíacas, entre elas, Bora Bora, no Taiti, onde realizaram a segunda de três cerimônias de casamento - a primeira foi no Taj Mahal, o principal cartão-postal da Índia. Segundo a coluna Painel, da "Folha de São Paulo", eles deixaram Nova York, onde teriam se refugiado pouco antes do escândalo, para um local desconhecido. Há um ano, ela negou que estaria de mudança para a Bélgica. "Bélgica? Não, jamais. Não sei de onde saiu essa notícia", disse ao site "Glamurama". Outro destino possível seria o Japão, um de seus destinos favoritos de férias.

Cinderela baiana

Filha de uma engenheira e de um advogado, ambos funcionários da companhia de água de Salvador, Ticiana gosta sempre de lembrar que pertence à elite soteropolitana. "Não tenho problema com isso [ser chamada de arrivista] porque venho de duas famílias muito tradicionais da Bahia", disse em entrevista a Paulo Sampaio para a revista "JP". Na mesma ocasião, ela revelou que seus pais estudaram com os publicitários Duda Mendonça e Nizan Guanaes e que seus avós eram próximos de Antônio Carlos Magalhães. Ela tem uma irmã, Mariana, com ela na foto.

Tanajura

O sobrenome de solteira da mãe de Ticiana dá nome à sua produtora, a Tanajura Filmes, que tem como sócia a irmã Mariana e como diretora sua melhor amiga, Bruna Estivalet, de quem é comadre. A empresa criou o formato "Duelo de Mães", apresentado por ela e que vai ao ar aos sábados pelo SBT. A atração foi toda produzida pela equipe da Tanajura e gravada em um estúdio alugado em São Bernardo do Campo, e não no Complexo Anhanguera, que pertence à emissora. A JBS, anunciante do "Duelo de Mães", e a Record estão entre os clientes da produtora de Ticiana.

Ela é top, capa de revista

Festa com famosos? Roupas caras? Casa luxuosa? O estilo de vida tipo ostentação de Ticiana já estampou capas de importantes revistas: seu lar, com uma vista de dar inveja, em Salvador, por exemplo, ilustrou a "Casa Claudia". À "Joyce Pascowitch", a apresentadora abriu um pouco de sua intimidade. Mas foi mesmo na "Caras" que ela viralizou... mas pelo motivo errado. O excesso de Photoshop, que misturava uma foto de Ticiana e Joesley com Sean Penn, Leonardo DiCaprio e Madonna, gerou memes e piadas sem fim.

Bela, mãe e do lar

Depois do nascimento de Joesley Filho, Ticiana não apenas mudou de emprego, mas passou a postar fotos no aconchego do lar ao lado do fruto de sua união com o dono da JBS e chegou a exibir seu talento doméstico. "Bom dia! Com cara de sono ainda, mas na cozinha. Hoje sou eu quem vai preparar o bolo para meu filho que completa 8 meses amanhã! Depois mostro como ficou. Vai ser de tapioca!", escreveu na legenda da foto, publicada em seu Instagram. Já para a festa de dois anos do menino, no começo deste ano, ela contratou a filial da famosa Carlo's Bakery, que fica em São Paulo. O tema da festa eram dinossauros e ela usou chapeuzinho de safári para entrar no clima.

Vida de madame

A festa de casamento de Ticiana e Joesley foi nababesca. O vestido Chanel, os shows de Ivete Sangalo e da dupla Bruno e Marrone e os convidados poderosos já são referência no quesito ostentação e prova da proximidade do empresário com os seus delatados. O casal tem um chef particular, que começou cozinhando no iate deles e passou para a cozinha da casa no Jardim Europa, bairro que tem um dos metros quadrados mais caros de São Paulo. Em uma polêmica entrevista para a "Veja", Ticiana afirmou que o motorista abastecia o seu carro, um Porsche Cayenne. "Quando me dei conta, nem sabia mais o preço da gasolina. Pensei: 'Sou jornalista e não sei quanto custa o combustível?' Voltei eu mesma a encher o tanque."

Micareta VIP

Aniversário de Ticiana é uma data que nunca passa em branco, e pelo menos duas comemorações foram com muita música baiana. Seus 35 anos foram animados pela "Micareta da Tici", na Casa da Península, no Tivoli Ecoresort, na Praia do Forte, com direito a shows de Carlinhos Brown, do tradicional bloco Ilê Aiyê e da banda Alavontê, que tem Durval Lelys e Ricardo Chaves entre seus integrantes. Seus 33 anos, festejados em 2013 também ganharam o mesmo tipo de celebração, mas em São Paulo mesmo - foi a "Micaranda", na varanda de sua casa no Jardim Europa. Em 2016, no entanto, a nova idade chegou com mais discrição: uma festa surpresa da família - com direito a camiseta personalizada.

Amiga dos famosos

Diga com quem Ticiana anda, que diremos: é famoso. Os apresentadores Angélica e Luciano Huck são alguns dos amigos VIPs de Ticiana, que são "vizinhos de ilha" do casal em Angra dos Reis, na Costa Verde no Rio. O sertanejo Bruno, que faz dupla com Marrone, e sua mulher, Marianne Rabelo, já passaram alguns dias com eles no local. Ivete Sangalo é outra famosa próxima. "Muita gente diz que somos parecidas. Eu adoro que digam", afirmou a apresentadora, que publicou uma foto ao lado da cantora, anunciando uma homenagem no programa "Máquina da Fama".